Reflexão do dia 23 de julho
PEÇO PARA DEUS DECIDIR
Clique para ver a reflexão na íntegra
Clique aqui para ingressar no aabr

História de A.A. no Brasil - Introdução

Seu nascimento e desenvolvimento no Brasil


Corria o ano de 1945, um membro viajante norte americano, de nome Bob Valentine, amigo de Bill W, de passagem pelo Rio de Janeiro, então capital nacional, conhece uma pessoa também americana (não está totalmente definido se era homem ou mulher), com o nome de Lynn Goodale. Após conversar com Bob Valentine, Lynn encontra a sobriedade. A Fundação do Alcoólico era a responsável direta pela correspondência de Alcoólicos Anônimos com a sociedade e o elo entre a correspondência de seus membros. Portanto, Bob Valentine, de volta aos EUA, em visita à Fundação, passa-lhe o endereço de Lynn, como possível contato no Brasil.
Prontamente, a secretária da Fundação do Alcoólico escreve-lhe uma carta na qual solicita a confirmação do contato brasileiro, dizendo-se feliz por poder assinalar um ponto na cidade do Rio de Janeiro em seu mapa de contatos no exterior. Ao receber essa correspondência, Lynn responde afirmativamente sobre incluir-se como contato de A.A. no Rio de Janeiro e informa que sua estada no Brasil seria por pouco tempo. Solicita também algum material (memorandos, boletins etc.) e diz:

“Há quatro meses evito o primeiro gole; fazendo algo, creio que manterei minha sobriedade (...) gostaria de ter alguma participação no crescimento de Alcoólicos Anônimos aqui no Brasil.\\\"
A carta de agosto de 1945, assinada por Margareth Burger, então secretária da Fundação do Alcoólico, não altera muito os acontecimentos mas marca o final da correspondência e Lynn Goodale sai de cena. No ano seguinte, a Fundação do Alcoólico recebe a seguinte correspondência, vinda do Brasil:

 “Rio de Janeiro, Brasil, 19 de junho de 1946.
Ao Secretário do A.A. Cosmopolitan Club - Nova Iorque

Prezado Secretário:

Há coisa de um mês o remetente desta esteve em seu escritório e, ante-cipadamente prevendo sua mudança aqui para o Rio de Janeiro, solicitou algum contato com um membro de A.A. Fui gentilmente informado do nome de Lynn Goodale -  Av. Almirante Barroso nº 91, como tal, lamento informar que devido ao meu precário português, ou pelo endereço incompleto, fui incapaz de localizar essa pessoa e o auxílio das listas telefônicas locais também foi insuficiente.
Você teria a paciência suficiente (considerando que o correio aéreo regular consome 29 valiosos dias na ligação Nova Iorque/Rio de Janeiro) de fornecer-me instruções suficiente para contatar essa pessoa ou qualquer outro membro de A.A. no Rio?
Obrigado por seu interesse.

Herbert L. Daugherty - Rua Gustavo Sampaio nº 86 - apto. 402
PS. Você poderá incluir-me como contato para o futuro?\\\"

Tratava-se de Herbert L., um publicitário norte-americano, sóbrio desde 1945, quando conheceu Alcoólicos Anônimos em Chicago, que veio ao Rio de Janeiro, juntamente com sua esposa Elizabeth, para cumprir um contrato de três anos como diretor de arte numa grande companhia internacional de publicidade.
A resposta da Fundação trouxe-lhe o nome de outras pessoas, Don Newton e Douglas Calders, as quais poderiam ajudá-lo; informou-lhe sobre a postagem de um \\\"suprimento grátis de literatura\\\" e trouxe-lhe um pedido de abordagem a um jovem de Recife.
Preocupado em manter sua sobriedade e decidido a começar um Grupo de A.A. no Rio, Herb (como era conhecido) decide escrever à Fundação, meses depois do último contato, dizendo não ter encontrado as pessoas indicadas. Nessa carta, datada de 2 de junho de 1947, Herb também informa que ele e sua esposa já haviam se adaptado bem no Brasil e solicita mais nomes e endereços de possíveis AAs no Rio.
 “Lynn Goodale e Don Newton deixaram o Rio de Janeiro\\\" - diz a correspon-dência vinda da Fundação, a qual também traz um pedido preocupado: \\\"Não deixes passar outro ano sem correspondência\\\" - e informa ao casal o novo endereço de Douglas C.
As cartas entre a Fundação do Alcoólico e Herb continuaram. Na próxima, Herb envia um cartão constando seu nome e endereço, cadastrando-se oficialmente como contato de A.A. no Brasil.
Quarenta e sete foi o ano dos acontecimentos que culminaram com o início efetivo de A.A. no Brasil. No mês de julho, Herb recebeu endereço de outro AA residente no Rio de Janeiro e alguns panfletos em espanhol e, em outubro, a Fundação expressa sua felicidade pelo início de um Grupo de A.A. no Brasil.
Contudo, há uma lacuna entre a carta de julho e a de outubro. Foi justamente na época que se inicia o primeiro Grupo.

Alcoólicos Anônimos do Brasil - Todos os direitos reservados 2014